Contribuições de Henri Wallon para a educação 4


Texto escrito por Iracema Cerdan Zavaleta Galves

 

Henri Wallon nasceu e viveu na França de 1879 a 1962, foi médico, psicólogo, educador e investigador. Estudou muito a criança (ALMEIDA, 2010) e escreveu sua teoria do desenvolvimento, mostrando a importância da relação da criança com o meio. “É uma relação evolutiva, que vai mudando com a idade, conforme as necessidades da criança, reveladas em suas atividades, interesses e conforme os recursos que encontra ao seu alcance para satisfazê-las” (MAHONEY, 2007, p. 9).

Wallon divide o desenvolvimento em fases, nas quais cada uma tem uma atividade predominante:

  •  Impulsivo e Emocional (0 a 1 ano);reflexoes_clip_image002_0001
  • Sensório-motor e Projetivo (1 a 3 anos);
  • Personalismo (3 a 6 anos);
  • Categorial (6 a 11 anos);
  • Puberdade e Adolescência (acima dos 11 anos); e
  • Adulto.

Porém, como nos alerta ALMEIDA (2010), essas fases não são lineares, podendo haver avanços e retrocessos entre elas.

Com base nesta teoria, Wallon espera que a escola se organize para que seja “a expressão concreta dessa unidade indissolúvel adulto-criança-sociedade, encontrando o ponto de equilíbrio entre o atendimento das necessidades do desenvolvimento da criança e o atendimento das necessidades de desenvolvimento da sociedade, sem perder de vista que sua maior solidariedade é com a criança. A criança traz para a escola as características de seu ser biopsicológico e as consequências das condições materiais e sociais da sua existência impostas pela sociedade em que vive (MAHONEY, 2007, p. 11).

Assim, a escola é um meio funcional, pois tem uma função específica: levar à criança o acervo cultural da humanidade (ALMEIDA, 2010). Segundo MAHONEY (2007), Wallon defendia que os conhecimentos ocorrem através da relação criança-meio, no presente e no vir-a-ser. Além disso, essa instituição deve auxiliar no desenvolvimento de toda a personalidade do indivíduo.

“Educar exige, então, o conhecimento da criança concreta, nas suas condições de existência, da natureza das relações que ela estabelece com o seu meio, da influência dos diversos grupos aos quais ela tem acesso” (MAHONEY, 2007, p. 10). Para Wallon, a pessoa é concreta e completa, possuindo quatro conjuntos funcionais (MAHONEY & ALMEIDA, 2005):

  • Afetividade: emoções, sentimentos e paixão;
  • Cognição: permite a aquisição e manutenção do conhecimento;
  • Movimento: deslocamento do corpo no tempo e no espaço, reações posturais e apoio tônico para expressões e sentimentos se expressarem e;
  • Pessoa: com a função de articular os outros conjuntos.

Aqui, cabe lembrar que Wallon faz um recorte destes aspectos a fins didáticos, pois, para ele, o indivíduo é um só (ALMEIDA, 2010).

“Todas essas considerações em relação ao aluno precisam ser pensadas ao mesmo tempo em relação ao professor: os dois estão em constante transformação na direção de sua individuação e nesse momento é preciso que o professor planeje sua ação, lembrando que todas as atividades propostas para o aluno também têm uma ressonância no seu conjunto motor, afetivo, cognitivo e essa ressonância deve ocorrer na direção da satisfação de suas necessidades. Afinal, é na interação do par que os dois se transformam” (MAHONEY, 2007:, p.14).

Baseado em sua teoria, foi criado o Projeto Langevin-Wallon, o qual propunha uma educação a todas as crianças (de 6 a 18 anos) sem discriminação, oferecendo a elas condições para “o desenvolvimento intelectual, estético, moral, de acordo com suas aptidões e só estas podem ser seus limites. Isto significa que toda aptidão poderá ser orientada, cultivada segundo sua natureza, levando em consideração as funções em que poderá ser exercida mais tarde na sociedade” (MAHONEY, 2007, p.14).

 

Referência bibliográfica:

ALMEIDA, Laurinda Ramalho de. Aula ministrada na turma do 1º semestre/2010, disciplina Psicologia da Educação I, Mestrado em Psicologia da Educação da PUC-SP. Em 16 de março de 2010.

MAHONEY, Abigail Alvarenga. Contribuições de H. Wallon para a Reflexão sobre Questões Educacionais. In: PLACCO, V.M.N.S. (org.) Psicologia & Educação: revendo contribuições. São Paulo: FAPESP/EDUCA, 2007, p. 117-144.

MAHONEY, Abigail Alvarenga e ALMEIDA, Laurinda Ramalho de. Afetividade e processo ensino-aprendizagem: contribuições de Henri Wallon. Psicologia da educação, jun. 2005, n.20, p.11-30.

 


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 pensamentos em “Contribuições de Henri Wallon para a educação